Acesse aqui o Portal do SMC

Palavra do Presidente

Hora de intensificar a pressão pelo fim do Fator Previdenciário

Sérgio Butka - Presidente
Passado o período eleitoral,  a expectativa dos trabalhadores brasileiros se volta agora para a votação do fim do Fator Previdenciário, prometida pelo deputados para antes do final do ano.  Já não era sem tempo. Desde 1998, quando foi criado por FHC, o  Fator tem prejudicado os trabalhadores, em especial os aposentados. Hoje, nossos idosos comem o pão que o diabo amassou graças a fórmula ordinária do Fator: Segundo o Dieese, antes de 1998, uma pessoa que trabalhasse pelo período de 35 anos, ganhava 100% do cálculo feito para a aposentadoria. Com a entrada em cena da lei do Fator Previdenciário,  os mesmos 35 anos de trabalho passaram a render apenas 70% do cálculo, ou seja, o  Fator arrancou  30% do salário do aposentado (a). Para receber 100%  é  preciso mais 8 anos de trabalho duro ainda.

Muitos economistas, financiados pelo grande capital, tem alardeado na imprensa que o Fator é positivo. Segundo esses “analistas”, 8 anos a mais de trabalho passam rápido e contribuem para a saúde econômica e previdenciária do país. Alguns até criticam e debocham da posição das Centrais Sindicais que pedem o fim do fator.  Como se vê, essa é uma visão patronal, elitista e distorcida da realidade. O que esse pessoal leva em consideração são apenas números e grana. Se esquecem da pessoa do trabalhador. Por exemplo: Pergunte para um cortador(a) de cana, o que são oito anos a mais de trabalho na saúde dele. Ou para um trabalhador(a) do chão de fábrica, que todos os dias tem que aguentar da chefia pressão em cima de pressão, além do ritmo exaustivo da linha de produção. O que adianta contribuir para a “saúde” financeira da Previdência colocando em risco a saúde física e mental do trabalhador?  E depois? A mesma Previdência não vai ter que gastar para tratar do trabalhador doente? Diante dessas perguntas, os “grandes especialistas” enfiam o rabo entre as pernas e ficam em silêncio.

É por isso que as Centrais estão na pressão para fazer com que os parlamentares cumpram o compromisso que firmaram de votar o fim do Fator ainda esse ano. Essa será uma grande vitória da classe trabalhadora brasileira.

Mas a luta não acaba aí. Além do Fator, também estamos na cola do governo para exigir o fim da cobrança do Imposto de Renda sobre a PLR dos trabalhadores. É um absurdo que as empresas, detentoras de lucros astronômicos e de várias outras fontes de renda, sejam isentas, e o trabalhador tenha que pagar pra poder receber este beneficio.

Porém, o fim da cobrança só vai vir se o trabalhador for pra cima e pressionar. Nem que leve tempo, não podemos dar moleza. A luta pelo fim do Fator já tem 15 anos, mas nunca desistimos e estamos a poucos dias do enterro dessa bizarrice, que tanto prejudicou os aposentados. Por isso, vamos manter a cabeça em pé e ir para luta exigir nosso direitos, companheiros (as)!

 

 
Sérgio Butka
Presidente do Sindicato dos Metalúrgicos da Grande Curitiba, da Federação dos Metalúrgicos do Paraná (Fetim) e da Força Sindical do Paraná.
Desenvolvido por Agência Confraria