Portal SMCCARD | Acesse aqui

Notícias

Imagem

Após 95 dias de greve, trabalhadores da Nissan Barcelona impendem fechamento da fábrica e garantem manutenção dos empregos até  final de 2021

95 dias de muita luta, união e mobilização: essa foi a formula dos trabalhadores da Nissan Bracelona para impedir o fechamento do complexo industrial da Zona Franca de Montcada i Reixac e Sant Andreu de la Barca, em torno da cidade catalã. Desde que a empresa anunciou no final de abril que iria encerrar suas operações no complexo, os mais de 3 mil trabalhadores diretos e  cerca de 27 mil indiretos se uniram às entidades sindicais para impedir o fechamento das fábricas que fazem parte do complexo. No dia 04 de maio, os trabalhadores decidiram entrar em greve e ocuparam os portões das fábricas. 

Resistência e ocupação da fábrica
O governo catalão entrou  na situação pedindo que as partes entrassem em acordo para preservação dos empregos e que garantisse a atividade industrial do complexo. Em julho, a empresa tentou retirar materiais do complexo para transferir para outras plantas, mas os trabalhadores não permitiram. Além das ações em porta de fábrica, aconteceram diversas outras mobilizações sociais e sindicais nas cidades de Cantábria, Madrid, Barcelona.  Marchas noturnas foram realizadas em um grande movimento de participação social apoiada pela população.  Foram várias as tentativas de acordo, mas sempre rejeitadas pelos trabalhadores pois não garantiam a manutenção dos empregos. 

Como resultado, nesta quarta-feira (05), após uma reunião que durou 25 horas entre os Sindicatos e a empresa, chegou-se  a um acordo que prevê que o fechamento das fábricas seja adiado por um ano, até o final de 2021, prazo que o governo  pediu para propor uma alternativa industrial às fábricas que a empresa automobilística abandonaria. Durante esse período, a empresa concorda em não demitir os trabalhadores, embora possa aceitar demissões voluntárias. A decisão de fechamento  em 2021 também pode ser revista dependendo do momento econômico.

Além da garantia de emprego, os trabalhadores também conquistaram um acordo remuneração salarial, que constituíram um obstáculo à proposta anterior da empresa, o contrato estabelece que, para menores de 50 anos, a remuneração é de 60 dias por ano trabalhado sem limite de anuidades. A proposta de trabalhadores entre 50 e 54 anos também foi revisada para cima.

Comente esta notícia

Desenvolvido por Agência Confraria