Acesse aqui o Portal do SMC

Notícias > Notícias do dia

Imagem

Greve na África do Sul tem grande mobilização dos trabalhadores

Em Joanesburgo, os trabalhadores marcharam até os escritórios do Conselho de Negociação das Indústrias e Engenharia Metalúrgica (MEIBC), onde apresentaram uma suas reivindicações.

Os conselhos de negociação fazem parte do sistema de relações industriais da África do Sul e suas responsabilidades incluem a resolução de disputas e a facilitação de acordos de negociação coletiva entre sindicatos e empregadores.

Os trabalhadores entraram em greve indefinida depois que as negociações fracassaram em conceder a eles um aumento salarial de 8% que eles exigem. Em vez disso, os empregadores ofereceram 4,4%, o Sindicato Nacional dos Metalúrgicos da África do Sul (NUMSA) diz ser um insulto aos trabalhadores. Inicialmente, NUMSA queria um aumento salarial de 15%.

“Os empregadores não podem nos oferecer 4,4% quando no ano passado não recebemos nada por causa da pandemia covid-19. Os trabalhadores perderam empregos por meio de demissões, e outros foram colocados em empregos de curta duração, nos quais perderam renda porque recebiam menos do que seus salários normais. Por isso, apoiamos firmemente nosso sindicato nas demandas por maiores reajustes salariais”, argumenta um dos grevistas.

Irvin Jim, secretário-geral NUMSA disse:

“Estamos em greve indefinida até que nossas demandas sejam atendidas. Não permitiremos que a superexploração da mão de obra no setor de engenharia continue incontestável. A decisão de greve foi tomada após o fracasso de negociações prolongadas em que os empregadores apresentaram uma oferta lamentável, frustrando os trabalhadores”.

O secretário-geral ainda falou que a greve é para exigir salários dignos para os trabalhadores do setor de engenharia. “Este é o momento de unidade em ação. Não vamos implorar por salários dignos. Estamos exigindo”, afirmou Irvin.

O presidente da NUMSA, Andrew Chirwa exalta a importância dos trabalhadores do setor que contribuíram para que a indústria se mantivesse em funcionamento durante a pandemia, suportando cortes de salários.

“Os trabalhadores do setor de engenharia fizeram contribuições significativas para manter a indústria à tona durante a Covid-19, suportando cortes de salários e horas de trabalho reduzidas. A sanidade deve prevalecer sobre os empregadores para melhorar sua oferta atual ”, disse Andrew.

O sindicato argumenta que os trabalhadores contribuíram para a recuperação econômica e que eles merecem melhores salários. Com o recuo da pandemia no país, agora há menos restrições para as atividades industriais, e a economia começará a se recuperar.

O país segue tendências globais em que a recuperação dos setores tem sido muito mais forte e mais rápida do que o esperado no início da pandemia. Além disso, os altos preços globais das commodities de metais que incluem platina, ouro e minério de ferro também estão contribuindo para a recuperação econômica.

com informações da IndustriALL Global Union

Fonte: Redação Mundo Sindical

Categorias:

Comente esta notícia

código captcha
Desenvolvido por Agência Confraria